domingo, 13 de dezembro de 2009

A.D.Quinta do Conde 3-2 C.R.I. (Juniores)

O CRI sofreu, uma derrota inglória na Quinta do Conde, por 3-2. Que o futebol não é justo, já não é novidade, mas custa…e muito perder da maneira como o CRI perdeu hoje.

O jogo começou equilibrado, mas rapidamente a equipa da casa começou a aproximar-se da baliza de Miguel Nobre e a criar muitas dificuldades para a equipa de Alhos Vedros.

Contudo num momento de grande inspiração, Fábio Miranda, haveria de dar vantagem ao CRI fazendo um grande golo. Com o golo a equipa de Nuno Aiveca cresceu e começou assentar jogo e a trocar melhor a bola. Mas perto do intervalo, o árbitro da partida, em dois lances distintos e em apenas 4 minutos, conseguiu desequilibrar por completo o jogo a favor dos homens da casa. Primeiro num penalty muito duvidoso, aos 40 minutos, que deu o empate ao Quinta do Conde, depois na expulsão de Rafael Matos aos 44’, que deixou o CRI em dificuldades.

No segundo tempo assistiu-se a um enorme jogo colectivo da equipa do CRI, que nunca fez sentir que tinha menos um elemento em campo. Apesar disso sofreu um revés aos 63’, com a reviravolta no marcador. A equipa do CRI em desvantagem e com menos um elemento em campo, foi buscar forças na união, mostrou grande atitude e postura e chegou mesmo ao empate (72’), por intermédio de Amândio após grande trabalho de Hélder Ramos.

Os erros de arbitragem multiplicavam-se e tentavam empurrar o CRI para trás, mas não conseguiam ultrapassar uma força interior muito forte… até ao minuto 94, onde com toda a infelicidade, o CRI sofreu o terceiro golo, que deixou devastados os jogadores de Alhos Vedros.


Equipa do C.R.I.: Miguel Nobre, P.Richard Ramalhoso, Bruno Pedro, David Amaral e João Acates, Rafael Matos, Luís Pereira, Herlan Ferraz e Tiago Costa, Amândio Ramião e Fábio Miranda.
Jogaram ainda: Emanuel Torres, João Teixeira, Hélder Ramos e Gonçalo Assunção.
Não jogou: Flávio (GR).

Texto: David Fernandes 

Reacções:

1 COMENTÁRIOS:

Não vamos baixar os braços, a atitude correcta é esta que tivemos neste jogo, apesar de não termos sido bafejados pela sorte. Custou mas já é passado e agora temos coisas bonitas pela frente, vamos agarra-las juntos.
Um abraço.